Tratamento minimamente invasivo da fístula anal

Tratamento minimamente invasivo da fístula anal

A técnica VAAFT é utilizada para o tratamento cirúrgico de fístulas anais complexas e de fístulas recidivadas. A localização exata do orifício interno da fístula sob controle visual, o tratamento das fístulas por dentro e o fechamento completo do orifício interno são decisivos no tratamento das fístulas. A técnica é constituída por duas fases: uma diagnóstica e uma cirúrgica. Portanto, uma classicação pré-operatória da fístula não é mais necessária, o que permite economizar tempo e também custos. Além disso, não são produzidas lesões cirúrgicas perianais e o problema frequente da incontinência fecal pós-operatória é evitado, uma vez que o esfíncter não é lesado.Fig. 8

As vantagens da técnica VAAFT são evidentes: não é necessário uma internação, não há lesões decorrentes da cirurgia nem nas nádegas, nem na região perianal. O orifício interno da fístula pode ser localizado de forma inequívoca (um item decisivo para qualquer tratamento cirúrgico de fístulas) e a fístula pode ser destruída internamente por completo. Além de poucos medicamentos e poder retornar ao trabalho após alguns dias, o paciente é poupado do risco da incontinência fecal pós-operatória.


Figura1. Aparelho utilizado no procedimento que possibilita o estudo endoscópico da fístula e seu tratamento.


Figura2. A fístula anal apresenta os seguintes componentes: orifício externo (O.E.), seu trajeto em forma de túnel e o orifício interno (O.I.). A compreensão desta anatomia é fundamental para o sucesso do tratamento.


Figura3. O fistuloscópio percorre todos os componentes da fístula anal, enquanto o cirurgião visualiza todas estas informações em uma tela com imagem de alta definição.


Figura4. O cirurgião aborda todos os componentes da fistula sob visão direta, preservando a musculatura esfincteriana.

Texto adaptado do artigo do Prof. Piercarlo Meinero
Diretor do Centro para Cirurgia Colorretal na Casa di Cura Sanatrix, Roma
Diretor do International Colorectal Team (ICRT)
Docente na Sapienza Università di Roma

Doenças